Sobrevivente do Inferno: entrevista com o rapper Vietnã

0

Os anos são os 90. O cenário político/econômico da época estava baseado na instabilidade de um governo incompetente. Além disso, no mesmo período, o rap nacional também crescia com muita força e conquistava espaço nas televisões brasileiras.

O estilo de música com batidas recicladas e rimas duras contra o sistema alertava os jovens sobre problemas gritantes em nosso país. Um dos momentos de desespero nos anos 90, por exemplo, foi quando Collor anunciou o confisco de contas bancárias e poupanças por dezoito meses.

Portanto, no caos político social que, em 1992, na zona sul da capital de São Paulo nasceu Vinicius Silva, rapper conhecido artisticamente como Vietnã.

Aos 26 anos e cheio de energia, Vietnã, é o tipo de bom malandro que geral curte conhecer. O rapper além de escrever as próprias rimas faz também a produção das músicas. Se ficou curioso (a) para saber mais, você pode conferir à história do Vietnã no canal Rap Box.

Para nós do RND, o rapper conversou um pouco sobre música, rotina, trabalho e pontos de vista. 

Gosto sempre de perguntar sobre a influência da cultura hip hop na vida de quem trabalha com rap. Como o gênero moldou a personalidade do Vietnã?

O rap que escuto é dos anos 90. Então, o rap que eu ouvia me explicava as cenas que eu via, basicamente isso. Porque na sua favela ninguém fica 24h por dia te alertando, avisando como é, sabe? Ninguém fica todo momento te alertando sobre separar trigo de joio. O rap faz isso 24h por dia.

Agora você está trabalhando e ganhando com o rap. Como vai sua rotina?

Agora as viagens estão aumentando. Considero que estamos viajando muito, porque há três meses viajávamos pouco, era dois ou três shows por mês. Em agosto, o show em Maringá foi o sexto do mês. Felizmente tenho show fechado até fevereiro de 2019.

Você tem um parceiro e segunda voz, o HE. Como se conheceram?

Há alguns bons anos. A verdade é que eu já estava cansado de ganhar as batalhas dos outros MC’s (risos), aí eu chamava o HE para batalhar comigo, porque sempre resultava em alguma parada maneira. Eu já fui MC de batalha no freestyle. Eu era muito aplicado. Treinava. Estudava. Assistia. Sempre tive muito respeito pelo estilo e por qualquer coisa que necessite prática e exercício para ser feito.

Você expressa em algumas letras como é viver na favela e presenciar situações desagradáveis. Você ainda sofre preconceito?

Sofremos até hoje. Até hoje nós pagamos a conta do hotel e algumas pessoas se afastam. Se você entra em um restaurante melhor, geral olha. É o que eu falo em uma música: “tem gente daqui que consegue dinheiro e que mesmo assim é tratado como escoria”.

Isso são pequenos detalhes que já não me afetam, mas eu vejo acontecer. E se a gente que tem suporte para tudo isso ainda é destratado, imagina quem não tem. Eu já fui uma dessas pessoas um dia. Somos diferentes, mas os direitos e deveres são os mesmos.

Suas letras falam também sobre o descaso de alguns representantes políticos em situações importantes. Como você vê a política no cenário atual?

Primeiro eu penso que qualquer líder que culpa os liderados já não serve para ser líder. O ponto principal de ser líder é você chamar a responsabilidade para si. Se quem eles lideram não presta, é culpa deles, liderança. Se as lideranças não concordam com a maioria, elas que deixem a liderança com gente que concorda com isso.  O povo é corrompido tanto quanto nossos exemplos, alguns se salvam.

Primeiro eu penso que qualquer líder que culpa os liderados já não serve para ser líder. 

Você acha que a mentalidade do brasileiro é plausível de mudança para um desenvolvimento político/social?

Então, não adianta a gente achar que vai solucionar trocando o poder enquanto nosso conceito for embasado em protagonismo e sustento próprio.  Se às pessoas se importassem uma com as outras você não ia se preocupar em atender o celular à noite. É simples. Têm gente safada em todo lugar. Têm ladrão? Têm. Acontece que, quanto mais às pessoas buscarem o senso de igualdade e de justiça, mais o número de quem rouba e mata diminui, e quando o número é menor, fica menos difícil pegar.

Agora, quando nego boy fala: “o crime não compensa”, eu faço questão de convidar o cidadão para passar uma semaninha na favela e ver as oportunidades de lá. Muito se fala e pouco se sente. Falta empatia e respeito. Deram tecnologia e não deram preparo.

Vamos conversar um pouco sobre seu trampo. Qual foi o primeiro som que você gravou em estúdio?

O primeiro som que gravei em estúdio foi “O Mundo é Sinistro”, em 2012, com participação do coveiro da Família Mada. Eu apresentei o refrão e ele curtiu. Isso foi um belo pé na porta para mim, porque fez diferença onde eu morava, o pessoal viu que a gente tinha condição de lançar música.

Confira o EP “Até Aqui” na íntegra 

Você, no final do ano passado lançou o EP “Até Aqui”. Como foi o processo de criação?

Eu entrei em uma produtora para trampar com o Pedro Lotto. Até hoje tenho muita música escrita que ainda não gravei. Na época modifiquei algumas no processo de criação do Lotto. Para escrever eu costumo me expressar da minha maneira, é muito pessoal o meu ato de escrever. Lançar música e fazer show é muito profissional, já o ato de escrever é refletido em minhas perspectivas.

Você pensou em alguma amarração para o EP, para a produção?

É aquilo, minhas músicas são perspectivas do meu ponto de vista, é o que eu penso. Tudo o que eu faço na minha vida é reflexo de onde eu vim. Reflexo da minha criação, independentemente de ser arte ou não. Tudo que eu faço possui traços do que passei. Tive muitos problemas na vida e nem por isso deixei de ter minhas vitórias. Minhas músicas são um pedido de socorro. Eu não venho com a solução, eu reclamo do problema. Gostaria muito de ter a solução, mas a solução como um todo não se encontra em uma pessoa só.

Agora que soube um pouco mais sobre o rapper, você também pode conferir o último lançamento do Vietnã em parceria com Nocivo Shomon “Front”. Solta o play.

E, caso você curta ou curtiu conhecer o rapper paulista Vietnã fique ligado aqui no RND, que ainda neste mês será lançada à faixa “Primavera Sangrenta”, gravada em Curitiba.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.