O filho das quebradas nasceu e nas mãos de Bernvl foi batizado Trap Chave, entenda o conceito

0

Muita gente diz que o Trap é o Funk da gringa, ou que o mais próximo do trap em terras tupiniquins seria o funk. Motivo mais citado é que a vivência brasileira se diferencia completamente do citado em letras de trap, afinal, nos bailões, ninguém tem lean, o que se vê é lança-perfume. Mediante essa situação, notando o quanto o ritmo recheado de 808’s advindo de Atlanta pode sim embrasar, surgiu o Trap Chave. Mais do que uma ideia, já é um conceito consolidado no meio artistico e em algumas quebradas do país.

A ideia nunca foi criar um subgênero, foi apenas traduzir da forma mais brazuca possível. Quem conhece sabe, o crime nacional não usa Vlone, usa Polo, preferencialmente uma Polo Preta. Em São Paulo, existe a HFF, que se você for preguiçoso, pode ser entitulada como um conjunto de amigos que bebem, fazem música e salvam o trap brasileiro. Dentre os moleque zika que compõe o grupo, preste atenção em Bernvl.

Seguindo o lançamento do ep “HFF-866”, o ideal estava nas entrelinhas, nas melhores noites da Morfeus Club. Mais de um ano depois, o sagaz Bernvl percebeu o conceito que criara, demonstrando a cara, de fato, com o lançamento do single “Lança-Perfume/Meninos do Torro remix”. A HFF abraçou, a cena abraçou e o hype chegou. O Deus que é brasileiro –o mesmo que usa Nike-, Card, aderiu à roupagem, vide seu single “Nike Mola”.

Interestadual e agora com apoio divino, o que poderia conter os famigerados ‘meninos bons’? Uma provável resposta seria a falta de uma produtora. O lembrete é que a HFF é uma produtora, de brinde, tem no seu meio o não usual  artista Enriqvx, que lançou seu EP Usual, que lhe rendeu convite para o RedBull Pulso. Alguns teriam a audácia de falar que isso é um ideal do mundo virtual. DJ da HFF, Suk, costumeiramente faz as festas de sua área, inclusive, lançou um set no dia 6 de novembro.

Apesar da forte influência nipônica, que foge do ideal, o consagrado Yung Buda, lança produtos com evidências de sua relação com os trappers mais funkeiros do país, que por sinal, ele é assumidamente fã. Se o Nike Mola, a Polo Preta, o Lança Perfume não foram suficiente pra te convencer da brasilidade e chance de identificação do som, o iceboysclub, também adeptos do ideal, tem o embrasante e recheado de autotune som: Loló.

Tido por muitos como o melhor autotune do país, Zemaru faz um trap chave, e pode colocar chave e autotune nisso. Ele não cola com Jack, por consequência, acaba colando com os mais talentosos e firmeza, vide seu som Sou Ninguém”, com o genioso Mayaru, a cheia de histórias 5A, com Card e mais uma vez Mayaru, e a conceitual, Paga Lanche com Bernvl.

Evidente que os menino são fora do comum, que chegam e ‘boom’. No último lançamento, Bernvl repaginou seu single de 2 meses atrás, adequando não um videoclipe, não um live video, mas sim um bom e velho AMV. 33-171″ é um som que exala o quão de quebrada o trap pode ser, e seu video é composto por imagens do jogo GTA.

A HFF e seus membros são a escolha se você deseja fazer um evento memorável na Morfeus ou nas melhores casa de show de SP. Yung Buda é a escolha se deseja fazer um drift pela quebrada no escort vinho-desbotado. Card é a escolha se deseja se sentir como uma divindade e transbordando estilo. Zemaru é a escolha se deseja entender como o autotune foi feito para soar. O Trap Chave é a escolha se deseja estourar um grave, porém sem se passar por gringo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.